[ISTE 2018] O que está Rolando na Maior Conferência EdTech do Mundo

E a nossa querida Google Innovator, facilitadora no Amplifica e Head de Tecnologia Educacional do IBEU está no ISTE, a maior conferência de Tecnologia Educacional do mundo, e nos conta tudo que está rolando por lá, trazendo um olhar especial para os educadores brasileiros.

Roberta nos conta tudo do início de sua jornada.

 

A Keynote inicial do #ISTE18 foi com David Eagleman, que falou sobre criatividade e flexibilidade cognitiva. A plasticidade do cérebro humano faz com que ele esteja constantemente se reconfigurando, se adaptando, e é por isso que é preciso praticar a criatividade. Se você praticar a criatividade, você expande suas habilidades fazendo novas conexões e ensina o seu cérebro a ser mais criativo. É importante: um ambiente seguro para errar, para modificar, para explorar sem consequências.

O quanto nossas salas de aula estão ajudando nossos cérebros (e dos nossos alunos) a serem mais criativos?

Richard Culatta falou  sobre cidadania digital e como a habilidade de distinguir fato de ficção é chave hoje em dia para sobrevivência. Em vez de uma lista do que NÃO se deve fazer, cidadania digital deve ser uma lista do se DEVE fazer. Ele compartilhou algumas iniciativas incríveis de alunos que valem a pena dar uma conferida:

No one eats alone

March for our lives

Donate my Time

 

Ele ressaltou a importância do contexto e da dificuldade de transferir o que se aprende em um contexto para outro. Se só ensinarmos a fazer um debate cortês em sala de aula, como esperar que os alunos saibam discordar respeitosamente em um blog online?

Jennie Magiera, palestrante do ISTE 2017, veio ao palco com 4 alunos de escolas e universidades de Chicago que são líderes de organizações e movimentos. Ian Brock é cofundador da Beyond The Cookie® e Dream Hustle Code. Kiara Reed fundou 2 organizações no ensino médio, S.O.S.I. and Sista Circle. Rose Rezac é cofundadora da  P.I.F.A. Marley Rosario faz trabalhos na sua comunidade e trabalha com organizações como Vote16, Chicago Students Union e March for Our Lives Chicago

Quando questionados sobre o que seus professores faziam que os incentivou, eles responderam coisas como,

“Os professores permitiram que fosse quem eu era”

“Deixe que os aluno criem seus movimentos, organizações, eventos que vão gerar a mudança – deixe que eles encontrem seu próprio caminho”

O que fica desse primeiro dia de #ISTE18?

  • Computer Science e Maker Playground – Os Playgrounds são espaços para educadores e empresas compartilharem práticas de sucesso. Em comum, havia muitas iniciativas de materiais, aplicativos e plataformas para a escola e o professor poderem integrar soluções maker e de programação e robótica ao currículo de qualquer disciplina e não como uma iniciativa separada. Há um grande esforço em mostrar que a programação está ao alcance de qualquer um. Alguns dos participantes dos Playgrounds: Fuze, Little Bits, Vidcode, Genesis Learning, Dazzlinks, MADLearn, BlocksCAD, Maker Ed, Humming Bird, Trashbots e micro:bit in Wonderland. Vale a pena dar uma fuçada para ver as novidades!
  • Iniciativas incríveis de alunos. O quanto nós estamos incentivando – ou até mesmo deixando – nossos alunos a criar?
  • O quanto estamos praticando nossa criatividade no nosso dia a dia? Nunca é tarde para começar…

 

E o que fica para o Amplifica?

Conhecer mais do trabalho do David Eagleman sobre o cerébro já que quanto mais sabemos sobre como aprendemos, mais contribuições poderemos dar para os processos de aprendizagem. Já estamos com esse TED dele na lista para assistirmos.

Assistir o Keynote de 2017 da Jennie Magiera e acompanhar o desenrolar do programa que ela está liderando de inovação em desenvolvimento profissional, chamado Dynamic Learning Project.

Acompanhar de perto duas hashtags #ISTE2018 e #NotAtISTE2018 . Já estamos com vários insights!

E você? O que está aprendendo?

……..

Confira o Dia 2 da Beta no ISTE.

Carla Arena
Carla Arena

Malabarista, curiosa, eterna aprendiz, geek, educadora. Carla é apaixonada por aprender e retribuir. Por isso, se tornou professora e focou em desenhar experiências de aprendizagem para educadores e gestores. Carla sente-se privilegiada em ter trabalhado por 17 anos em uma Binacional em Brasília, a Casa Thomas Jefferson, onde foi Coordenadora do Departamento de Inovação e Tecnologias. Adora estar cercada por pessoas que a inspiram. Para Carla, ser AMPLIFICA significa começar movimentos, conectar educadores e profissionais fantásticos em busca de novos horizontes no meio digital.

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.