Uma Nova Visão de Inovação na Escola e a Queda de Mitos sobre Tecnologias Educacionais

Quando conversamos com professores e gestores ainda escutamos que a escola investiu e investe em tecnologias e inovação. Falam dos computadores em sala, nos projetores, nos quadros interativos, no uso do Power Point. Essa ainda é a visão muitas vezes limitada e a realidade percebida do que é Tecnologia Educacional.

Ainda há uma falta de entendimento no meio educacional de que a inovação não está vinculada apenas ao investimento de hardware, mesmo porque muitas das tecnologias que precisamos para a sala de aula já estão nas mãos de nossos alunos. Investimento maior e necessário nas escolas é de

  • uma infraestrutura robusta de uma rede cabeada e wifi,
  • capacitação continuada de professores com os alunos envolvidos no processo, isto é, um entendimento que o aprendizado de novas linguagens digitais é essencial para uma cultura educacional que estimule competências sócio-emocionais e o desenvolvimento de novas habilidades que fazem parte e serão essenciais na vida dos nossos futuros profissionais,
  • um movimento de mudança de cultura institucional baseada em modelos colaborativos e trabalho em equipe que permeia todas as áreas, coordenação acadêmica, direção, sala de aula, equipe administrativa,
  • mobilização de pais para que eles também se apropriem dos processos e acreditem no direcionamento da escola,
  • um entendimento de que INOVAÇÃO não está nas tecnologias em si, mas no uso que fazemos dela e na apropriação do conceito de INOVAÇÃO como processos e pessoas.

Então, fica aqui algumas dicas para vencermos mitos e avançarmos no uso das tecnologias em ambientes educacionais:

  • A maior tecnologia que temos em sala de aula são os professores e alunos. Faça bom uso do que já está lá, tanto em termos de pessoas como do que elas já trazem para a sala de aula,
  • Pense em plataformas e ecossistemas e não se limite a hardware e software. Como a escola usa e poderia usar plataformas digitais para a colaboração e desenvolvimento de verdadeiros ecossistemas de aprendizagem?
  • Pense em inovação aberta onde todo o ecossistema da escola faz parte do processo, pais, alunos, direção, guarda, a moça que cuida da limpeza, coordenadores, comunidade local. Para os problemas locais, estimule perguntas do grupo e prototipagem de soluções. A inovação surgirá da interseção de ideias e pessoas com diferentes visões,
  • Imagine como você pode turbinar movimentos de mudança e aprendizagem significativas por meio de conexões humanas e o uso de plataformas,
  • Mobilize o ecossistema para o engajamento em projetos educacionais que sejam pensados e estruturados para resolverem problemas reais,
  • Crie uma comunidade conectada de aprendizado,
  • Pense em infraestrutura técnica (rede, sistema de wifi) e social (as pessoas),
  • Entenda que mudanças que adicionam valor às pessoas trazem movimento ao ecossistema que alimenta cada vez mais mudança

A inovação na escola por meio das tecnologias educacionais vai depender de um novo olhar sobre processos, pessoas e plataformas ao se construir uma rede conectada de aprendizado tanto para a área operacional das instituições, como para a área acadêmica, a sala de aula.

Como bem diz John Seely Brown, “todos nós podemos ser mais inovadores do que qualquer um de nós”.

………….

Republicado do Medium do Amplifica.
Carla Arena
Carla Arena

Malabarista, curiosa, eterna aprendiz, geek, educadora. Carla é apaixonada por aprender e retribuir. Por isso, se tornou professora e focou em desenhar experiências de aprendizagem para educadores e gestores. Carla sente-se privilegiada em ter trabalhado por 17 anos em uma Binacional em Brasília, a Casa Thomas Jefferson, onde foi Coordenadora do Departamento de Inovação e Tecnologias. Adora estar cercada por pessoas que a inspiram. Para Carla, ser AMPLIFICA significa começar movimentos, conectar educadores e profissionais fantásticos em busca de novos horizontes no meio digital.

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.